sábado, maio 01, 2010

Mr. America: a imperdível exposição de Andy Wahrol

Uncle Sam

Uncle Sam

Foi quando teve seu primeiro trabalho como ilustrador comercial publicado na revista Glamour, em 1949, que um erro de datilografia transformaria de vez Andrew Wahrola em Andy Wahrol – um dos artistas mais importantes e influentes do século XX. Até o dia 25 de maio, o público brasileiro ganha a mais completa mostra de sua obra na exposição Mr. America, que a Estação Pinacoteca exibe na capital paulista.

O título faz menção a uma competição de fisiculturismo homônima realizada na costa oeste dos Estados Unidos e chama a atenção pelo que está por trás de toda a produção do artista. Filho de imigrantes da região em que hoje é o nordeste da Eslováquia e que se mudaram para os Estados Unidos fugindo da Primeira Guerra, Wahrol começou a conquistar seu espaço no mundo artístico em 1962, quando transformou algumas latas de sopas Campbell’s em obra de arte.

Graças a sua origem proletária e a difícil infância em Pittsburgh durante a Grande Depressão, Wahrol conseguia olhar para produtos de consumo banais, como uma sopa ou uma Coca-Cola, com outros olhos. “Uma Coca é uma Coca, e não existe dinheiro no mundo que possa comprar uma Coca melhor que a Coca que o mendigo da esquina está tomando. Todas as Cocas são iguais e todas as Cocas são boas. A Liz Taylor sabe disse, o presidente sabe, o mendigo sabe, e você também sabe”, disse Wahrol.

Em Mr. America, há ainda a chance de ver as famosas fotografias polaroids de grandes personagens como Liza Minelli, Grace Jones e Dennis Hopper; os quadros de Mao Tsé-Tung, Ronald Reagan e Marilyn Monroe; as telas da sopa Campbell’s em diferentes sabores, e muito mais.

Campbell's Soup

Campbell's Soup

É interessante lembrar que quando uma das pinturas das latas de sopa Campbell’s foi arrematada em 1970, por 60 mil dólares, aquele era o mais alto preço já pago para a obra de um artista até então. Em 1986, sua obra 200 One Hundred Dollar Bills é vendida em um leilão por 385 mil dólares, estabelecendo um novo recorde para seu trabalho.

Wahrol pode ser esmiuçado, admirado e compreendido como nunca na exposição, que além das obras, traz também um grande referencial explicativo para cada peça. Um visitante atento terá uma super aula de quem foi Andy Wahrol e por que esse nome tem tanto peso na arte moderna.

Certa feita, o escritor Glenn O’Brien perguntou ao artista se ele acreditava no sonho americano. Ao que Wahrol respondeu: “Não. Mas acho que podemos ganhar muito dinheiro com ele”. Essas e muitas histórias vão costurando toda a exposição, situando cada momento da vida artística de quem criou um verdadeiro império artístico.

Andy Wahrol produziu filmes, gravuras, instalações, empresariou uma banda, publicou revistas, fez de um tudo. Usou e abusou das telas serigráficas e dos estênceis. Seu interesse era a cultura popular – abordava o sexo, a morte, o poder e as celebridades. Wahrol profetizou que no futuro todos teriam seus 15 minutos de fama.

“Sua vida e obra exemplificam as tensões, contradições e crenças ideológicas que definem os Estados Unidos”, escreveu o curador Philip Larrat-Smith. Ao se reinventar constantemente e elaborar uma persona pública provocadora, Wahrol promovia a si mesmo e a sua arte. Fazendo isso, ele se tornou um espelho de seu tempo e incorporou a lógica do sonho Americano.

Tudo isso e muito mais pode – deve – ser saboreado em Mr. America. Imperdível.

Thiago Mattos

Marcadores: , , , , ,

6 Comments:

Blogger viajante said...

oi thiago! lembrei do seu blog entao tou aqui :)tudo bem com vc?
eva da rep. tcheca ;)

5:07 PM  
Blogger www.penabilisim.com said...

pena hosting
mikroskop

1:22 AM  
Anonymous Bubbles said...

america came on :)Bubbles

2:30 AM  
Blogger Alp said...

sex izle porno
indir
sex resim

9:57 AM  
Anonymous Tuğba Akbaba said...

Karacabey
Karacabey
Tuğba Akbaba
Karacabey blog

5:36 PM  
Blogger sergio said...

TV Digital com 500 canais sem mensalidade www.tvhd.com.br

5:58 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home